sábado, 25 de julho de 2015

120 Empresas Dizem Não ao Flamengo

A diretoria do Flamengo conseguiu patrocinadores para todas as modalidades esportivas da Gávea entre 2013 e 2015. O Vôlei é patrocinado pela CSN, Brasil Brokers e Banco Bonsucesso.

No entanto, o Flamengo queria dar uma vôo mais alto e disputar o Campeonato Brasileiro da 1a Divisão de Voleibol. No masculino, chegou-se a anunciar uma parceria com a UFJF (MG). No feminino, o Flamengo iria sozinho.

Os times adultos do clube são fracos. Apesar de campeão estadual no masculino, o Flamengo perdeu a final da Copa Rio para o Botafogo. No feminino, também perdeu o mesmo título para o mesmo adversário.

Iria. Bastava conseguir um patrocínio maior. O Flamengo correu atrás. Foi a 120 empresas e ouviu apenas "não" como resposta. Um récorde.

E também uma resposta a uma diretoria que dispensou grandes atletas olímpicos assim que assumiu o Flamengo. Diversos grandes nomes da Natação, Ginástica Artística e Judô foram abandonados. O único time que se manteve foi o Basquetebol Masculino, pois a diretoria sofreria uma grande pressão da torcida se acabasse também com esta modalidade.

O Vôlei é o esporte mais levado à sério e o segundo em popularidade no país. A Superliga tem grandes patrocinadores, transmissão em televisão aberta e fechada para o Brasil e outros países. Não dá para arriscar: montar um time agora que vai acabar amanhã.

Aliás uma pergunta que o Flamengo não responde: nos últimos quinze anos, o noticiário esportivo foi marcado por notícias que diziam que muitos atletas que saíram do clube, não apenas no futebol, mas também no futsal, voleibol, basquetebol, handebol, judô, remo e ginástica artística não haviam sido totalmente pagos. Será que o clube quitou estes atrasados?

Se quisesse montar um projeto sério a médio longo prazo para o vôlei, o Flamengo poderia começar mesclando suas categorias de base com alguns atletas adultos para jogar a Liga Nacional (espécie de 3a divisão nacional) e ir subindo aos poucos se reestruturando.

Nenhum comentário: